Depois de uma sequência de bons episódios, Alma de Ouro volta a apresentar um  capítulo jogado e confuso em “O Laço Fraternal de Saga“, o nono da temporada. Mesmo com três combates acontecendo simultaneamente, a galhofada foi tamanha que não conseguiram tornar nenhum deles ao menos interessante.

Na Câmara da Morte, Dohko e Utgardar ficaram durante três episódios prometendo um confronto épico, principalmente devido a todo o mistério que girava em torno do Guerreiro Deus e Lífia. Para a decepção de todos, a luta durou alguns míseros segundos e foi um fracasso que não se justifica, nem mesmo pela falta de tempo.

Utgardar Alma de Ouro

Utgardar revela marcas semelhantes as dos Cavaleiros

Com apenas um golpe, Dohko lança seu rival contra o pilar de sustentação da câmara e ela é destruída. Tudo acontece de maneira tão boba que evidencia que essa já era a intenção de Utgardar. Além disso, o ataque do Cavaleiro de Libra faz com que a máscara do Guerreiro Deus caia e revele uma marca de ressurreição parecida com a dos Cavaleiros de Ouro.

Bom, mais nada sobre o personagem misterioso é revelado e a Câmara da Morte desaba sobre eles. Parece ridículo tudo isso que escrevei até agora?  Pois é, assistindo me pareceu ainda mais.

A luta de Saga e Sigmund também não foi umas das mais interessantes de Alma de Ouro até aqui. O Cavaleiro de Gêmeos foi superior desde o princípio e não precisou de muito esforço para derrotar o Guerreiro Deus, irmão de Siegfried.

Saga Alma de Ouro

Saga derrota Sigmund sem se esforçar

Até tentaram dramatizar, contaram a história de que Sigmund deveria ser um dos Guerreiros Deuses originais, mas que esse foi aprisionado por Hilda pois descobriu que ela estava sob o domínio do Anel de Nibelungo. O robe de Dubhe entrou em cena para mostrar que Siegfried não queria que o irmão lutasse, Andreas usou a safira de Odin para controlar a mente de Sigmund e só faltou colocar uma banheira com modelos lutando no gel para empolgar, porém não conseguiram.

Lífia Alma de Ouro

Lífia ressuscitou os Cavaleiros

O mindfuck, se é que podemos chamar assim, do episódio foi descobrirmos que Lífia é a responsável por ressuscitar os Cavaleiros. Já era óbvio que ela tinha algum envolvimento importante na trama, então não surpreendeu muito e ainda por cima me desagradou um pouco. Poderiam ter pensado em algo mais interessante.

O desfecho do nono episódio de Alma de Ouro ficou para a luta de Aiolia e Frodi, que na verdade não chega a acontecer de verdade. Eles ficam o tempo todo em um cabo de guerra de poderes e não desenvolve até Lifia aparecer e revelar que é a responsável pela a ressurreição dos Cavaleiros.

Andreas manda Frodi matá-la, mas esse se recusa e Utgardar surge para executar a garota, que morre nos braços de Aiolia.
(Obs: Enquanto o Guerreiro Deus saia dos escombros da Câmara da Morte, o que o Dohko ficou fazendo?)

Fazer uma saga com 12 protagonistas deve realmente ser uma tarefa difícil, principalmente para desenrolar combates interessantes para todos eles. No entanto, algumas tomadas de decisão do roteiro são simplesmente vexatórias, em especial para uma franquia que sempre foi marcada por combates bem elaborados.

Espero que tenham reservado algo realmente épico para os três episódios restantes de Alma de Ouro, caso contrário as coisas não terminarão bem para a imagem dos Cavaleiros de Ouro.